O autodidatismo na formação de um profissional web

Aviso importante!

Eu sei que você não quer ver propagandas, porém o conteúdo gratuito só está aqui graças a publicidade. Considere desativar o AdBlock para esse site.

Este é um guest post enviado por Nelito Zangui para o RBtech Developer.

Os profissionais de webdesign (responsáveis pela elaboração do projeto estético e funcional de um web site) estão ganhando cada vez mais espaço no campo profissional, principalmente devido a grande ascensão da internet como meio de comunicação e trabalho.

Para todos os efeitos a área de webdesign permite a criação de websites e aplicativos para a web no que concerne à sua estrutura e visual (front-end), embora também possa agregar outras áreas relacionadas ao próprio trabalho como a arquitetura da informação, programação, usabilidade, acessibilidade, etc.

Toda profissão exige conhecimento e domínio de ferramentas que permitam a execução de tarefas corriqueiras. Para o webdesigner o processo se desenrola do mesmo modo: é indispensável o conhecimento (e domínio) das ferramentas (linguagens, aplicativos, frameworks, etc) que permitem o desenvolvimento de sites e/ou aplicativos para a web.

Mas como e onde obter conhecimento?

Vamos aqui deixar algumas impressões sobre o processo do aprendizado, tendo como base aquilo que foi a minha experiência de aquisição de conhecimento.

Investindo na busca de conhecimento

A primeira idéia que nos ocorre quando falamos em obter conhecimento ou formação é de que se adquire única e exclusivamente numa escola; formação acadêmica, portanto. É de fato importante que seja feita por esta via, mas pode acontecer que esta não exista. O que fazer então? Recorremos ao auto-ensino (autodidatismo).

Quando comecei a me interessar em criar sites ou pelo menos em entender o seu processo tive que apostar no auto-ensino e investir na compra de material, pois não tinha muito por onde começar em termos de suporte técnico (falta de formação técnica e/ou profissional). A minha formação é na área de hardware (montagem e configuração de computadores).

Apesar de se econtrar quase tudo na internet, o velho livro ainda exerece o seu papel. Pois então:

a) invista na compra de livros: recorra a livrarias (de preferência especializadas se existirem) e procure livros ou revistas sobre o assunto; Aproveite a viagem de férias para o estrangeiro ou peça a algum amigo ou familiar que viaja e peça que lhe compre livros;

b) outra forma é “vasculhando” a própria web: existem milhares e milhares de artigos, tutoriais e dicas sobre webdesign; existem sites e portais especialmente concebidos para falarem da matéria onde, com meia dúzia de cliques se consegue informação relevante. Saiba no entando filtrá-la!

c) peça orientação de alguém ou troque experiência: o mercado do webdesign já conta um número considerável de profissionais. Recorrer a algum que esteja disposto a ajudar ou pelo menos orientar é uma outra forma de obter conhecimento. Por issso, procure pessoas que trabalhem na área ou que tenham conhecimentos na matéria para lhe ajudar.

d) cursos técnicos, exposições e palestras: se puder pagar um curso básico ou intermédio de webdesign (ou somente design) faça-o sem hesitar: será uma mais valia ao teu processo de ensino. Outra forma de adquirir conhecimento é participando de palestras e exposições que tratem do assunto. Pode ser uma chance para conhecer pessoas da área e adiquir algum material a bom preço ou para contares um pouco da tua experiência!

Tempo, organização e força de vontade

Um dos grandes problemas durante o aprendizado é querermos ser bons nisso o mais rápido possível. Não “meta a carroça à frente dos bois”. Faça cada coisa no seu tempo. Comece por estudar HTML, depois CSS e depois aprenda um framework por exemplo...

Mas cuidado, aprender por conta própria não quer dizer "pular etapas", lembre-se que você é seu próprio professor ao mesmo tempo que é aluno de você mesmo, portanto faça um plano de ensino e aprenda sistematicamente. Estabeleça horas específicas para estudar e testar seus conhecimentos e tenha acima de tudo força de vontade para aprender.

O entusiasmo no começo do aprendizado pode ir baixando de intensidade na medida em que avançamos no conhecimento se não nos comprometermos em ir avante. Não parta para o aprendizado se não estiveres certo de que é exatamente isto que pretendes, a não ser que queiras apenas passar o tempo.

O que estudar

Já vimos que para se ser autodidata no conhecimento e domínio das ferramentas do webdesign é indispensável adquirir material, organizar-se em termos de tempo e ter força de vontade. Mas o que exatamente eu preciso estudar para trabalhar com desenvolvimento web?

Basicamente estudando xHTML e/ou HTML5, CSS e CSS3 e conhecendo um bom editor (IDE) como o Aptana Studio por exemplo já é possível criar sites bem interessantes.

Isso é o mais básico, se pretende mesmo seguir nesta carreira, sugiro que leia este artigo onde é explicado de forma mais completa toda formação que um webdeveloper precisa ter.

Concluindo

Ser webdesign não se esgota com o conhecimento e domínio do que se expos até aqui. Quer tenha adquirido a formação em uma isntituição especializada ou de forma autodidata, é necessário um trabalho árduo de contínuo aprendizado e atualização para estar sempre por dentro das tendências da web. A outra chave para um aprendizado eficaz é a humildade. Portanto, seja humilde e ganhara muito mais com isso.

Espero que este artigo ajude pessoas que como eu tiveram que embarcar para o autodidatismo.

Sobre o autor

Nelito Zangui

Este autor é um voluntário, que além de acompanhar o blog participa enviando conteúdos para serem publicados. Participe você também!

Comentários

Atualmente temos 6 comentários para este post. Participe você também, clique aqui e comente sobre o assunto.

  • Nelito Zangui comentou em

    Quero agradecer aos comentários a este post. O vosso apoio acaba por nos encorajar a continuar-mos a oferecer conteúdo de qualidade que, aliás, é apanagio deste blog. Obrigado também ao RBTech (Ricardo) por ter aberto esta janela para podermos contribuir com matérias do gêrero. Bem-hajam!

    Responder
  • Daniel Hequer comentou em

    Olá Nelito, obrigado pelo artigo, na verdade como o Naldo já falou eu também me vejo nestas palavras, minha formação é em hardware eu pouco de programação, sou angolano e cá temos poucas escolas de programação e de web designer, eu faço como você já falou estudando pelos livros e pelos portais que temos na net como o rebtch, ops!video, ficheiro online e outros, são blogs que ajudam-nos muito... Não parem de disponibilizar conhecimentos de diversas áreas de programação e não, por favor. Obrigado pelo artigo valeu...

    Responder
    • Nelito Zangui comentou em

      Olá Daniel. Eu também sou angolano e, de facto, cá é muito difícil conseguir formação nesta área e, as poucas que existem ainda são ao "preço da cara" e muitos não têm como conseguir. Vamos continuar a trabalhar e a fazer a nossa parte. Obrigado.

      Responder
  • Naldo comentou em

    Muito bom. Eu me vi nessas suas palavras. Parabens pelo incentivo e dicas. Quando leio um artigo como esse me dá força e animo para continuar. Só uma coisa que poderia acrescentar é para não dar ouvidos para quem tenta te desanimar. Parabéns

    Responder

Deixe seu comentário